RESENHA: Eleonora

26 março 2017

Título: Eleonora - Livro Medo Clássico
Autor: Edgar Allan Poe
Páginas: 4
Editora: DarkSide Books
Nota: 4/5

Sinopse: A história segue um narrador sem nome que vive com sua prima e sua tia no "Vale das Relvas Multicores", um paraíso idílico cheio de flores perfumadas, árvores fantásticas, e um "Rio do Silêncio".



Avaliação:


Neste ano resolvi participar do projeto #12MesesdePoe, o qual consiste na leitura de um conto e um poema do autor por mês. Neste mês de março, que é também considerado o mês das mulheres, o conto escolhido pela organizadora do projeto, foi o "Eleonora". Confesso que não conhecia essa história, o que tornou a leitura ainda mais única e muito especial.

O conto pode ser considerado uma poesia narrativa, sem perder o tom mórbido e obscuro, clássico do Poe.  O autor é um narrador em primeira pessoa, que nos conta a história de Eleonora, esta por sua vez é sua prima, pela qual ele se apaixonada incondicionalmente. 

Os dois vivem reclusos da sociedade, em um cenário tomado pela natureza e que aparenta ser uma mansão, no meio do Vale das Relvas Multicores  - assim denominado pelo narrador - lá vive somente ele, sua prima Eleonora e sua tia (mãe da jovem), totalmente sozinhos em um cenário repleto de flores, um rio que corre silencioso e muitas árvores. 


A medida que o narrador conta sua história, ficamos encantados com a forma como ele descreve o seu amor por Eleonora, entretanto, quando ela fica doente, ele lhe faz uma promessa um pouco antes dela falecer, assegurando que não amará nenhuma outra mulher, como amou Eleonora. E mesmo após falecer, com esta promessa, ele continua sentindo a presença de sua falecida esposa, principalmente a noite.

"Durante quinze anos, vagueamos, de mãos dadas, pelo vale, eu e Eleonora, antes que o Amor penetrasse em nossos corações. Foi tarde, numa tarde, no fim do terceiro lustro de sua vida e no quarto da minha, em que nos achávamos sentados sob as árvores serpentinas, estreitamente abraçados e contemplávamos nossos rostos dentro da água do rio do Silêncio. Nem uma palavra dissemos durante o resto daquele dia suave, e mesmo no dia seguinte nossas palavras eram roucas e trêmulas. Tínhamos arrancado daquelas águas o deus Eros e agora sentíamos que ele inflamara, dentro de nós, as almas ardentes de nossos antepassados. As paixões que durante séculos haviam distinguido nossa raça vieram em turbilhão com as fantasias pelas quais tinham sido igualmente notáveis e juntas sopraram uma delirante felicidade sobre o vale das Relvas Multicores. Todas as coisas se transformaram."

O tempo passa e o narrador nos fala de seu sofrimento em viver sozinho, não conseguindo mais admirar a natureza como antes e nem mesmo sentir prazer em viver. Assim ele resolve deixar o Vale e vai para a cidade, onde começa a experimentar os prazeres da vida boêmia. No entanto, ele acaba conhecendo uma nova jovem e só a resta a pergunta de que será que ele irá amar outra pessoa? Irá quebrar sua promessa para com Eleonora? 

RESENHA: Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban

Título: Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban
Autora: J.K Rowling
Páginas: 394
Editora: Rocco
Nota: 5/5
Sinopse: Durante 12 anos o forte de Azkaban guardou o prisioneiro Sirius Black, acusado de matar 13 pessoas e ser o principal ajudante de Voldemort, o Senhor das Trevas. Agora ele conseguiu escapar, deixando apenas uma pista: seu destino é a escola de Hogwarts, em busca de Harry Potter. Neste livro o leitor estará mais uma vez mergulhando no mundo mágico de Hogwarts e participando de aventuras repletas de imaginação, humor e emoção, que repetem o encantamento proporcionado pelos livros anteriores dessa maravilhosa série de J. K. Rowling.

Avaliação:

O mês de março está quase no fim, mas não deixei de realizar a leitura que era prioridade deste mês: Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban. Como vocês já sabem, estou participando do projeto #10MesesComHarryPotter e tem sido muito gratificante realizar essa releitura, pois embora já conheça o rumo dos acontecimentos da história, com J.K Rowling é sempre possível se surpreender. Lembrando que ainda dá tempo de participar do projeto - cá entre nós os três primeiros livros são mais curtos - é só solicitarem a participação de vocês no grupo, lá além das discussões, você também encontra o cronograma completo para leitura.

O terceiro ano de Harry já começa bem turbulento, já que nas férias ele se envolve em uma briga com a irmã do Sr.Valter Dursley e por isso acaba saindo de casa, mais cedo do que o previsto. Ao se abrigar nas hospedagens do Caldeirão Furado, Harry acaba ficando a par de uma notícia um tanto quanto pertubadora: Sirius Black, um perigoso bruxo, acabou fugindo de Azkaban. De inicio Harry não entende muito bem o quão alarmante é essa noticia, mas mal sabe que ele o tal criminoso, pode ter um grande influência em sua vida e também no seu passado.


Ao retornar a Hogwarts, o clima é de tensão, com os Dementadores montando guarda nos territórios da escola, o que para Harry é uma péssima notícia, visto que o primeiro encontro com um deles no trem, não foi muito amigável. Para piorar, uma visita ao povoado de Hogsmade está marcada e Harry infelizmente não poderá ir, visto que os seus tios não quiseram assinar a autorização. No entanto, com uma ajudinha dos gêmeos Weasley e sua capa de invisibilidade, Harry acabará burlando as regras outra vez.

RESENHA: A Rainha Normanda

21 março 2017

Título: A Rainha Normanda
Autora: Patricia Bracewell
Páginas: 400
Editora: Arqueiro
Nota: 5/5
Sinopse: Em 1002, Emma da Normandia, uma nobre de apenas 15 anos, atravessa o Mar Estreito para se casar. O homem destinado a ser seu marido é o poderoso rei da Inglaterra, Æthelred II, muito mais velho que ela e já pai de vários filhos. A primeira vez que ela o vê é à porta da catedral, no dia da cerimônia. Assim, de uma hora para outra, Emma se torna parte de uma corte traiçoeira, presa a um marido temperamental e bruto, que não confia nela. Além disso, está cercada de enteados que se ressentem de sua presença e é obrigada a lidar com uma rival muito envolvente que cobiça tanto seu marido quanto sua coroa. Determinada a vencer seus adversários, Emma forja alianças com pessoas influentes na corte e conquista a afeição do povo inglês. Mas o despertar de seu amor por um homem que não é seu marido e a iminente ameaça de uma invasão viking colocam em perigo sua posição como rainha e sua própria vida. Baseado em acontecimentos reais registrados na Crônica Anglo-saxã, A rainha normanda conduz o leitor por um período histórico fascinante e esquecido, no qual fantasmas vigiam os salões do poder, a mão de Deus está presente em cada ação e a morte é uma ameaça sempre à espreita.Governando na época compreendida entre o rei Artur e a rainha Elisabeth I, a rainha Emma é uma heroína inesquecível cuja luta para encontrar seu lugar no mundo continua fascinante até hoje.
Avaliação:

Desde o lançamento desse livro, fiquei totalmente curiosa pela história desta personagem feminina, que lutou para encontrar o seu lugar no mundo, em uma época em que as mulheres viviam submissa aos homens. Confesso que demorei um pouco a pegar nesse livro, o deixei na estante parado por um tempo, mas quando finalmente consegui realizar a leitura de "A Rainha Normanda" me arrependi de não ter lido antes. A história é tudo que você espera dela e um pouco mais. 


Aos seus 15 anos de idade, Emma é enviada a Normandia, atravessando o Mar Estreito para se casar, no lugar de sua irmã mais velha, com o Rei Æthelred II, um bruto e excêntrico tirano da Inglaterra. Ela só não esperava encontrar um marido bem mais velho que ela, com filhos que temem perder o trono caso Emma tenha um filho e uma rival, que quer o seu marido e a coroa. Para piorar, uma ameça de invasão viking começa a surgir, conjuntamente com a desconfiança rondando a corte inglesa. 

"Era um mundo povoado por homens e mulheres tramando por poder e promoções, e seu casamento tinha criado rancores em relação a ela que poderiam um dia lhe angariar muitos inimigos, dos quais ela mal poderia se defender."

Mesmo diante de todos os desafios, Emma está determinada a vencer. Ao se familiarizar com o reino, ela começa a conquistar aliados importantes na corte e também consegue conquistar a afeição do povo da Inglaterra. Mas o destino pode acabar colocando sua vida em risco, quando Emma se apaixona por um homem que não é o seu marido e diante de uma batalha viking isso pode significar uma grande tragédia. 



Baseado em uma história real da Corte Anglo-Saxã, o livro nos conduz a um excelente período da história da Inglaterra, nos guiando a uma disputa de poder e a luta pelo amor proibido em uma corte medieval muito fascinante. O livro é ricamente escrito, com detalhes muito importantes e sólidos, que acabaram por tornar essa história uma verdadeira obra de arte. Um dos pontos positivos do livro, é ser narrado em terceira pessoa, o que acaba por garantir uma melhor perspectiva sobre os cenários, bem como os seus personagens, com destaque para Emma, uma figura feminina muito inspiradora.