RESENHA: Crime e Castigo

13 dezembro 2016



Titulo: Crime e Castigo 
Autor: Fiodar Dostoievski
Páginas: 568
Editora: 34
Nota: 5/5

Sinopse: Publicado em 1866, Crime e Castigo é a obra mais célebre de Fiódor Dostoiévski. Neste livro, Raskólnikov, um jovem estudante, pobre e desesperado, perambula pelas ruas de São Petesburgo até cometer um crime que tentará justificar por uma teoria: grandes homens, como César e Napoleão, foram assassinos absolvidos pela História. Este ato desencadeia uma narrativa labiríntica que arrasta o leitor por becos, tabernas e pequenos cômodos, povoados de personagens que lutam para preservar sua dignidade contra as várias formas da tirania.

"A literatura não se define com palavras". 


Uma frase contraditória para explicar algo que consiste em expressar o ápice criativo da linguagem, geralmente, leitura e escrita. Mas como considerar o valor e analisar de forma tão sucinta uma obra dessa magnitude somente com palavras? Crime e Castigo está no top 10 da história da literatura. Top 5, talvez. Não seria exagero afirmar tal coisa.

Contudo, por mais que se escrevesse mil páginas sobre este romance, por mais que eu incluísse aqui todas as milhares de teses eruditas já escritas sobre a obra ao longo dos seus quase 200 anos e citasse as análises feitas de Bakhtin e Cândido, e as influências sobre as obras de Freud ou Nietzsche, ainda assim, as palavras não seriam o suficiente. Por um simples motivo: ela é infinita. 


Infinita não na estética ou no número de páginas e caracteres, mas infinita nas inúmeras articulações que cada trecho, cada diálogo mostra sobre o aspecto da essência humana. Um drama, antes de mais nada, mas com uma genial representatividade do que é ser um indivíduo na selva social, e suas reações e sentimentos diante das situações que todos passamos, independente da época, do contexto. Situações que não mudariam, fossem no centro de São Petersburgo do século XIX ou numa tribo de índios Maias, na América indomável de outrora. 

"- Ele tomou a decisão, mas foi como se tivesse caído de uma montanha ou despencado de um campanário, e chegou ao crime com se não houvesse caminhado com as próprias pernas" - Porfiri Pietrovitch, Juiz de Instrução

A essência do homem está ali, captada, principalmente na figura do sofrimento, de uma forma a qual poucos gênios conseguiram observar. O nome deste gênio é Fiodar Dostoievski (Rússia -1822). Um epilético, doente, jornalista, preso político, fisicamente fraco, calvo, inimigo da monarquia, que conheceu os calores dos centros de Moscou e São Petersburgo e o exílio na longínqua Sibéria. Alguém que sofreu na pele as mazelas sociais de seu tempo, mas que também observou o sofrimento alheio, num período em que a psicanálise não era sequer embrionária. Em um período em que a única referência para a compreensão interior era a religião, com instituições políticas e doutrinárias muito mais ativas e intervencionistas do que nos dias de hoje.


Dostoievski baseia sua filosofia na aproximação da igreja católica ortodoxa e seus dogmas, entretanto, é um ponto fora da curva na hora de apresentar soluções para os dilemas dos seus personagens, seguindo um caminho de realidade imparcial e dura, com toda a carga moral e a fatalidade que atinge os homens em seus destinos e escolhas, fugindo de um estereótipo punitivo e redentor tão comum nos autores anteriores e posteriores que se basearam em uma ideologia religiosa ou moral e se contaminaram com o determinismo de suas filosofias. Paulo Coelho "O Alquimista - 1988", Augusto Cury "A Inteligência de Jesus Cristo - 2003", Walcyr Carrasco "Verdades Secretas - Telenovela - 2015" ou mesmo Willian Young "A Cabana - 2007" podem ser exemplos atuais desses autores posteriores.O enredo é simples, como o cotidiano das cidades e sua marginalização.

"Para Raskolnikov começou um tempo estranho:era como se num átimo houvesse baixado uma névoa à sua frente e o encerrasse em uma solidão pesada e irremediável".

Na São Petersburgo do século XIX, Rodion Raskolnikov, um jovem estudante, se vê impossibilitado de terminar os estudos por falta de recursos e encontra-se em uma situação de miséria. Ao observar uma velha senhora agiota que compra joias usadas, é tomado pelo impulso de assassiná-la para obter um lucro, justificando seu ato através da filosofia de que mataria em nome de um bem maior. Tal como Napoleão ou César, genocidas que não eram considerados assassinos, tendo sido absolvidos pela história em prol de suas importâncias. Por toda a imaturidade de seu ato, contudo, a crueldade não lhe coube e, apesar de ter realizado o crime, se deprime e passa a viver com o fardo a ser carregado, não tendo nem a capacidade de usufruir o fruto de seu roubo, desfazendo-se dele.


A luta interna de um ser humano com seus erros e sua confusão mental, o conflito de ética e necessidade, honra e humilhação, são demonstrados ao longo de sua jornada, bem como o reflexo destas e outras ações nos diversos personagens que constituem a narrativa, sempre sobre o viés das escolhas, das relações de poder e da carga psicológica que a sociedade exerce sobre os homens, refletidas em suas atitudes e em seu sofrimento. 

"- Vai a um cruzamento, faz uma reverência ao povo, beija a terra, porque pecaste também perante ela, e diz a todo mundo em voz alta: "eu sou um assassino!" - Sofia "Sônia" Siemionovna

Todo o esforço e genialidade de Dostoievski tem o propósito de reconhecer e ilustrar a maior sublimação humana: a redenção. O sentimento de culpa e o seu reconhecimento. A culpa é talvez a maior causa de um ser humano atormentado, porém, também é a maior fonte de aprendizado, e através da dor, trás a sensação de maior alívio que um ser pode experimentar. 

Veneno e antídoto para alma, que consegue transformar erro e perdão extremos em um dos fenômenos mais belos de nossa existência. Tudo isso sem lugares comuns, sem propósitos ou palestras, sem frases motivadoras, sem moralidade ou discurso, apenas narrando vidas, histórias possíveis de um cotidiano tão distante e próximo de nós, ao mesmo tempo. O verdadeiro gênio nos faz pensar, não segui-lo, e assim é a obra prima de Fiodar Dostoievski.


38 comentários:

  1. Olá
    Eu provavlmente já tinha ouvido falar desse título, mas acredito que sua resenha é a primeira que leio a respeito. Pelo que pude perceber em suas impressões, é uma obra muito marcante e aberta a várias discussões ou mensagens né?! Na verdade, até seus comentários estão repletos disso e eu adorei poder compreender um pouquinho que seja desse cenário. Parabéns pelo post!
    Beijos, Fer
    www.segredosemlivros.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, F! Logo estaremos com um projeto para resenhas sobre clássicos como este! Se tiver uma sugestão para uma obra clássica para análise, pode dar :)

      Excluir
  2. Olá
    Eu não conhecia essa obra em questão, logo eu nunca li nenhuma de suas resenhas rwrs. Achei a proposta traga no livro bem interessante e sem dúvidas já estou anotando aqui. Fico feliz que você tenha amado o livro. Espero poder ler breve e gostar tanto quanto você gostou. Até mais ver
    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ola, Manoel! Como não amar literatura russa, não? Uma das culturas mais impressionantes do mundo! Fique atento que em breve virei com mais novidades :)

      Excluir
  3. Olá, eis um clássico que preciso ler. Ótima resenha, pois apresentou todo o contexto em que foi escrito, já li alguns clássicos onde essa questão do peso da culpa aparecia, e ela é bem interessante se for bem trabalhada, como parece ser o caso de Crime e Castigo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito bem trabalhada, Marijleite! Uma obra sem igual na literatura. Dostoiévsky era um genio :) Fico feliz que tenha curtido a análise! Logo teremos mais resenhas sobre livros clássicos :)

      Excluir
  4. Oi!

    Uma das minhas metas para o ano que vem, é ler o autor. Eu já vi tanta gente falando bem dele, que é impossível não conhece-lo. Adorei sobre o que a obra trata-se e quem sabe eu não começo a ler por ela? A redenção sempre me chamou a atenção. Parabéns pela resenha!

    bjs :D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É uma ótima forma de se começar a ler Dostoiévski, Anelise! Indico também O Jogador, que é bem curtinho e ótimo para ter uma primeira impressão :) Logo estarei com essa resenha também aqui.

      Excluir
  5. Olá, tudo bom?
    Esse é um dos livros que tenho parado na minha estante. Não por ignorá-lo e sim por estar esperando o momento certo para lê-lo. Gosto muito dessa temática desenvolvida por ele, onde como você mesmo salientou, o ser humano, retratado em sua essência, trava uma luta interna pela culpa causada por seus atos. Assim que tiver uma oportunidade, vou realizar a leitura e espero gostar da mesma tanto quanto você gostou.

    Beijos!
    @PollyanaCampos
    Entre Livros e Personagens

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você está certíssima, Pollyanna! Tem períodos certos na nossa vida para lermos uma obra deste tamanho. Tem muito a ver com o nosso momento, pois dependendo de como iniciamos a leitura, o sentimento muda, o ponto de vista também. Muito bom que vc tenha essa sensibilidade! Espero que tire o máximo da obra quando for ler :)

      Excluir
  6. Oi!
    Já tentei ler esse livro quando estava no ensino médio mas foi uma tentativa fracassada e acabei abandonando a leitura mas a sua resenha, que aliás é a primeira desse livro que leio, me deixou com uma nova visão da trama e do que o autor quis passar em sua obra que pela sua opinião parece ser muito marcante, daquelas que deixam dezenas de questionamentos ao fim. Vou anotar a dica pra dar mais uma chance no futuro.
    Beijos!
    Por Livros Incríveis

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ola Larissa! Esse livro merece essa chance sim! E vc tmb merece a chance de lê-lo :)
      Obrigado pelo elogio! A mágica dos questionamentos é o que nos move...

      Excluir
  7. Nunca vi este livro, e a primeira coisa que pensei lendo sua resenha, foi que ele, o autor, tinha tudo para dar errado, e olha que preciosidade ele criou. vou anotar esta dica.
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fábrica de Convites, sim, ele tinha tudo para dar errado, mas os gênios podem vir de qualquer lugar (vide filme do Ratatouille hahaha)!
      Boa leitura! :)

      Excluir
  8. Tenho esse livro por aqui justamente por reconhecer que ele é incrível! Ainda não o li, mas já tive acesso a resenhas como a sua e me sentia sempre muito envergonhada por ainda não prestigiar esse romance. Uau. Parabéns, sério, por sua resenha. Você conseguiu me motivar a ler, mesmo que já tivesse a intenção de fazê-lo, porque soube apresentar o enredo e sua importância histórica. <3

    Beijos!
    www.myqueenside.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Francine, muito obrigado pelo elogio! Despertar o interesse em obras primas com essa é a maior gratificação que posso ter como escritor. As grandes obras da humanidade estão aí, para nós. Temos o privilégio de usufruir delas e é quase um sacrilégio ignorarmos isso. Virei em breve, talvez semana que vem, com mais resenhas clássicas :) Obrigado novamente!

      Excluir
  9. Oi, confesso que se não fosse pela minha faculdade eu até hoje não teria tido nenhum contato com esse autor e essa obra. No entanto, mesmo se esse fosse o caso, sua resenha bastaria para me fazer desejar parar tudo e ler alguém que foi merecedor de palavras tão incríveis em uma resenha avassaladora como a sua. Acho que você teve o dom de transmitir um pouco da essência de uma obra tão complexa como essa e ao mesmo tempo não nos apavorar com a sua grandiosidade. Excelente resenha, capaz de conquistar até mesmo os mais tolos que não são capazes de notar a grandeza a primeira vista!
    Um beijo
    www.brookebells.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Brooke! Você me tocou com essas palavras! Muito obrigado pelos elogios, mas acredite, não sou tudo isso não hehe... apenas sinto-me muito privilegiado em poder transmitir o meu ponto de vista sobre algo tão genial para leitores tão atentos e interessados como vc. Que bom que existem leitores assim, interessados e que reconhessem a importância da literatura em nossas vidas! Obrigado vc :)

      Excluir
  10. oie!
    Eu ainda não conhecia esse livro, e achei bem interessante a sua resenha.
    Confesso que teria parado para dar uma olhada nesse livro assim só pela capa, mas sua resenha est´incrível e me deixou bastante curiosa. Uma ótima indicação.


    Bjks!
    Histórias sem Fim

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz em ser útil, Carla! Leia sim! Você não vai se arrepender! E uma dica: não se atente à capa. Deixe a sinopse te seduzir, é bem mais divertido! :)

      Excluir
  11. Olá Vergilio,
    Ainda não tive a oportunidade de ler essa obra que tem uma temática tão interessante, mas sinto muita curiosidade, pois já li e ouvi diversos elogios e me sinto impelida a ler, ou não serei eu.
    Adorei a forma como você falou da obra e fica impossível não concluir essa leitura e desejar iniciar o livro imediatamente.
    Espero que eu consiga entender a grandiosidade dessa obra, quando a ler.
    Beijos,
    Um Oceano de Histórias

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. OLa Bruna! Muito obrigado! Mas deixe os créditos para o autor genial :) Leia e sinta, a cada página, sem pressão, sem peso nenhum sobre interpretação alguma. Deixe cada parágrafo adentrar na sua mente sem o estigma de nenhuma análise. Só assim vc poderá ter a sua própria conclusão e então obser coisas que, de repente, ninguém jamais viu! Essa é a grande magia da literatura! A obra tem q ser grandiosa pra vc, e não paraos críticos, antes de mais nada! Obrigado novamente e Boa leitura! :)

      Excluir
  12. Olá!
    Esse é um dos livros que está na minha lista para ler pelo menos uma vez na vida. Só que acho uma história completamente complexa e difícil de ser lida. Mas não podemos negar sua importância para a literatura mundial, tanto por sua grandiosidade quanto pela sua complexidade.
    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Um bom filme nunca pode ser visto uma vez só, Carolina! O mesmo serve para os grandes livros :) Não é tão difícil nao... sinta a obra, sinta as palavras, que vc vai ver que não precisa de força para ler! Logo vc estará comentando aqui sobre o quanto valeu a pena :) Boa leitura!

      Excluir
  13. Oie amore,
    Esse livro já ouvi muita gente falar, mas nunca me instigou a ser lido.
    Adorei sua resenha, mais ainda assim não é um livro que eu queira ler.
    Beijokas
    www.facesdeumacapa.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ola amore, Grazi! :)
      Obrigado pelo elogio!
      Poxa, que pena. Realmente, o momento é importante... Um dia quem sabe vc não desperta essa vontade :)

      Excluir
  14. Oi, tudo bem?
    Eu sempre tive muita curiosidade a respeito desse livro, mas acredito que não tenha maturidade o suficiente para o ler. Mas adorei a sua resenha, e ela só reforçou a minha ideia de que o livro é incrível.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não se intimide, Giovana! Se você admite que precisa de maturidade, é porque teve maturidade suficiente para olhar para dentro de si mesma :) leia sim! Vá em frente! E depois de uns anos, quando amadurecer mais, leia de novo! O grande segredo dessas obras é esse! A cada período de nossa vida, teremos um olhar diferente para ela, e isso vai fazer vc se ver, se refletir como um espelho :)
      A gente amadurece assim tmb!
      Ótima leitura e obrigado pelo elogio!

      Logo traremos mais novidades :)

      Excluir
  15. Ooi,
    Já conheço o título das aulas de filosofia da escola, apesar de não gostar muito de filosofia em si gosto da forma que o autor pensa e pretendo ler Crime e Castigo o mais rápido possível.
    Corujas de Biblioteca

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leia sim, Vitória! E pegue leve com a filosofia,ela é importantíssima para nossa vida :)

      Excluir
  16. Nossa, fazia um certo tempinho que não lia uma resenha tão bem elaborada e desenhada. Você conseguiu transmitir a essência do enredo, e tudo que o autor queria trazer com sua história. Precisamos de mais livros assim, que realmente sugam nossa alma e nos fazem viajar por suas paginas.
    Vou buscar ler o livro, e espero que fique as mesmas boas impressões que você deixou por aqui.
    Parabéns pela resenha'

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ola Blog! Muito obrigado pelo elogio! Em breve traremos novidades com uma série de resenhas sobre clássicos :)

      Excluir
  17. lembro que teve um trabalho que tive que ler e depois falar sobre ele em 3 folhas, confesso que a leitura pra mim foi muito pesada, a leitura era cansativa e não conseguia absorver os acontecimentos da estória, então não pretendo reler esse livro tão cedo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ola Cantinho! Quando se lê um livro de quase 200 anos, vc tem q ter um cuidado, uma certa paciência, com a escrita. Isso pode deixar a leitura cansativa, ou vc pode se sentir privilegiada por estar lendo uma linguagem de 200 anos. É como se ali vc tivesse disponível para você uma máquina do tempo :)

      Excluir
  18. Olá
    ta ai um livro que não tenho curiosidade de ler tao cedo mas que esta na lista pra ler antes de morrer, muito legal sua resenha e sia dica

    beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  19. Olá,
    A premissa da obra é muito interessante e toda a discussão que cada parágrafo pode gerar e uma infinidade de temas é abordada na obra. Não sei se seria o momento para tal leitura mais densa, mas tenho vontade sim de ler a obra.
    Adorei a resenha e como você fez alguns apontamentos.

    https://leitoradescontrolada.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A leitura é densa sim, Michele, mas ainda é uma narrativa simples :) Dá para ler sem compromisso, sem pressão. Acompanhar os acontecimentos como num filme. Costumo dizer que as entrelinhas sao mais prazerosas quando relemos :)
      Obrigado pelo elogio :)

      Excluir