RESENHA: Eleonora

26 março 2017

Título: Eleonora - Livro Medo Clássico
Autor: Edgar Allan Poe
Páginas: 4
Editora: DarkSide Books
Nota: 4/5

Sinopse: A história segue um narrador sem nome que vive com sua prima e sua tia no "Vale das Relvas Multicores", um paraíso idílico cheio de flores perfumadas, árvores fantásticas, e um "Rio do Silêncio".



Avaliação:


Neste ano resolvi participar do projeto #12MesesdePoe, o qual consiste na leitura de um conto e um poema do autor por mês. Neste mês de março, que é também considerado o mês das mulheres, o conto escolhido pela organizadora do projeto, foi o "Eleonora". Confesso que não conhecia essa história, o que tornou a leitura ainda mais única e muito especial.

O conto pode ser considerado uma poesia narrativa, sem perder o tom mórbido e obscuro, clássico do Poe.  O autor é um narrador em primeira pessoa, que nos conta a história de Eleonora, esta por sua vez é sua prima, pela qual ele se apaixonada incondicionalmente. 

Os dois vivem reclusos da sociedade, em um cenário tomado pela natureza e que aparenta ser uma mansão, no meio do Vale das Relvas Multicores  - assim denominado pelo narrador - lá vive somente ele, sua prima Eleonora e sua tia (mãe da jovem), totalmente sozinhos em um cenário repleto de flores, um rio que corre silencioso e muitas árvores. 


A medida que o narrador conta sua história, ficamos encantados com a forma como ele descreve o seu amor por Eleonora, entretanto, quando ela fica doente, ele lhe faz uma promessa um pouco antes dela falecer, assegurando que não amará nenhuma outra mulher, como amou Eleonora. E mesmo após falecer, com esta promessa, ele continua sentindo a presença de sua falecida esposa, principalmente a noite.

"Durante quinze anos, vagueamos, de mãos dadas, pelo vale, eu e Eleonora, antes que o Amor penetrasse em nossos corações. Foi tarde, numa tarde, no fim do terceiro lustro de sua vida e no quarto da minha, em que nos achávamos sentados sob as árvores serpentinas, estreitamente abraçados e contemplávamos nossos rostos dentro da água do rio do Silêncio. Nem uma palavra dissemos durante o resto daquele dia suave, e mesmo no dia seguinte nossas palavras eram roucas e trêmulas. Tínhamos arrancado daquelas águas o deus Eros e agora sentíamos que ele inflamara, dentro de nós, as almas ardentes de nossos antepassados. As paixões que durante séculos haviam distinguido nossa raça vieram em turbilhão com as fantasias pelas quais tinham sido igualmente notáveis e juntas sopraram uma delirante felicidade sobre o vale das Relvas Multicores. Todas as coisas se transformaram."

O tempo passa e o narrador nos fala de seu sofrimento em viver sozinho, não conseguindo mais admirar a natureza como antes e nem mesmo sentir prazer em viver. Assim ele resolve deixar o Vale e vai para a cidade, onde começa a experimentar os prazeres da vida boêmia. No entanto, ele acaba conhecendo uma nova jovem e só a resta a pergunta de que será que ele irá amar outra pessoa? Irá quebrar sua promessa para com Eleonora? 


Esse foi um dos contos mais delicados e poéticos que li do autor, acredito que o diferencial da obra, esta na riqueza em que o autor descreve as belezas da natureza, onde há claramente um paralelo com o cenário e os sentimentos que ele nutre pela prima. Além disso, a promessa que ele faz antes que ela venha a óbito, o coloca em um voto sagrado, que caso fosse quebrado, poderia vir a sofrer uma grande maldição. Isso deixa o leitor apreensivo, quando observamos que o nosso narrador se apaixonou por outra. 


Achei muito condizente este conto ter sido escolhido neste mês, pois se encaixou perfeitamente em uma homenagem as mulheres, principalmente com a escrita melódica de Poe. Recomendo esta leitura, para aqueles curiosos que ainda não conhecem a narrativa do autor ou que possuem receio, por ser de um gênero mais dark, entretanto, este conto nos passa uma linda mensagem, que deveria ser lida por todos. 

Ps.: O conto "Eleonora" foi retirado do livro "Medo Clássico: Edgar Allan Poe", edição recente, publicada pela DarkSide Books, em breve resenha completa sobre o exemplar.

13 comentários:

  1. Olá!
    Que lindo!
    Acredita que nunca li nada dele? Eu amo poemas e depois dessa sua dica maravilhosa, pode ter certeza, que eu lerei.
    Obrigada pela super indicação.
    Beijos
    Cássia Pires

    ResponderExcluir
  2. Ah gente, contos de Poe são sensacionais e únicos, ele trabalha com muita literatura e recursos de linguagem, adoro essa face do amor que, quando ele descreve, tem esse tom mais intimista e obscuro, um amor verdadeiramente dark rs.
    Abs
    www.entrelinhaseafins.com.br

    ResponderExcluir
  3. Olá,
    Não conhecia a obra e nem o autor, achei interessante. A forma de declarar seu amor a Eleonora um pouco diferente mas ainda assim com todo encanto.
    Gostei.
    Beijos
    www.estilo-gisele.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Olá,
    Confesso que ainda não li nada de Poe, mas já vi algumas postagens sobre o projeto em outros blogs que também acompanho.
    Parece ser muito lindo de ver a forma como o narrador descreve seu amor por Eleonora, bem poético e delicado. Seu sofrimento parece ser palpável...
    Adorei saber suas impressões.

    LEITURA DESCONTROLADA

    ResponderExcluir
  5. Eu tenho um livro com os melhores contos de terror do Poe, não é essa maravilhosa da Darkside mas também é linda, ilustrada e tal...
    Ainda não li Eleonora mas Poe arrasa sempre né? Adorei ;)

    ResponderExcluir
  6. Olá Vivi, tudo bem?
    Como estudante de literatura inglesa e americana ouvi falar muito sobre Poe e suas obras. Li vários contos dele, mas esse infelizmente não estava na lista.
    Amei a sua resenha e a forma como você nos incentiva a leitura.
    A edição da Darkside é uma obra prima não é?
    Dica anotada.
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Olá Vivi, tudo bem?
    Como estudante de literatura inglesa e americana ouvi falar muito sobre Poe e suas obras. Li vários contos dele, mas esse infelizmente não estava na lista.
    Amei a sua resenha e a forma como você nos incentiva a leitura.
    A edição da Darkside é uma obra prima não é?
    Dica anotada.
    Beijos

    ResponderExcluir
  8. VISH VISH VISH já fiquei apreensiva aqui pelo personagem, por essa possível maldição que ele pode sofrer se quebrar a promessa.
    Quando vi o título do post fiquei "Eleonora? O nome do livro não é Medo clássico?" e fiquei procurando a palavra Eleonora na capa iueheiuhee sim sou desligada a esse ponto. Ainda bem que você especificou que é o nome do conto.
    Acho bem legal esse projeto de ler Poe, mas por enquanto prefiro não me comprometer com esse tipo de coisa. Muita leitura atrasada.
    Bjs

    ResponderExcluir
  9. Olá, também estou participando do desafio, concordo que o cenário meio que se relaciona com os sentimentos do personagem, foi um conto com um desfecho um pouco diferente dos outros que já li do autor.

    ResponderExcluir
  10. A narrativa de Poe é única e maravilhosa, ele consegue trazer o ar de penumbra para tudo que toca, impressionante.

    ResponderExcluir
  11. Oie
    eu ainda não li nada do autor e morro de vontade pois adoro o gênero e vejo muitos elogios, está edição esta linda demais e sua resenha só me deixou mais curiosa, quero muito ler em breve e parabéns pela dica e resenha

    beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  12. Eu queria muito ter começado esse projeto de 12 meses de Poe, cada post eu descubro uma coisa mais interessante sobre o autor e, claro, estou apaixonada por essa edição da Darkside.

    http://laoliphant.com.br/

    ResponderExcluir
  13. Oi Vivi, sua linda, tudo bem?
    Eu só consegui ler um conto do autor até hoje e tenho muita vontade de ler os outros. Pelo o que contou esse é mais dramático, trabalha mais os sentimentos do personagem. E confesso que fiquei animada com a história da maldição, risos... Dica anotada!!! Sua resenha ficou ótima!!!
    beijinhos.
    cila.
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir